A joint media project of the global news agency Inter Press Service (IPS) and the lay Buddhist network Soka Gakkai International (SGI) aimed to promote a vision of global citizenship which has the potentiality to confront the global challenges calling for global solutions, by providing in-depth news and analyses from around the world.

Please note that this website is part of a project that has been successfully concluded on 31 March 2016.

Please visit our project: SDGs for All

A crescente importância da educação para a cidadania global

Por Jaya Ramachandran

NOVA YORK (IDN) - Quando o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon lançou a Primeira Iniciativa de Educação Global em setembro de 2012, suas três prioridades eram "a promoção da cidadania global", "matricular cada criança na escola" e "melhorar a qualidade de aprendizagem".

Ban disse: "A educação é muito mais do que uma entrada para o mercado de trabalho. Ela tem o poder de moldar um futuro sustentável e um mundo melhor. Políticas de educação devem promover a paz, o respeito mútuo e o cuidado com o meio ambiente”.

À medida que a comunidade internacional se move no sentido de adotar a agenda de desenvolvimento pós-2015, popularmente conhecida como as Metas de Desenvolvimento Sustentável (SDGs), a necessidade de educação para cidadania global está se tornando cada vez mais importante. 

Pois nenhum dos objetivos que afetam o planeta Terra e seus habitantes pode ser alcançado sem que as pessoas e os governos de todo o mundo transcendam os estreitos interesses nacionais e atuem no interesse do planeta.

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada em junho de 2012 no Brasil determinou que as SDGs devem ser coerentes e integradas com a agenda de desenvolvimento da ONU para o bem universal além do ano de 2015.

Paralelamente, o Grupo de Trabalho Aberto estabelecido pelo documento final do Rio de Janeiro concordou com 17 metas e 169 objetivos que visam à erradicação da pobreza através da mudança de padrões de consumo e produção insustentáveis, incentivando sua sustentabilidade, e a proteção e gerenciamento da base de recursos naturais de desenvolvimento econômico e social.

Estes são os objetivos predominantes de e requisitos essenciais para o desenvolvimento sustentável, conforme explicado no "relatório sintético" de Ban, “The Road to Dignity by 2030” (A estrada para a dignidade até 2030), lançado em 04 de dezembro de 2014.

Ban propõe um conjunto integrado de seis elementos essenciais que, tomados em conjunto, visam facilitar as deliberações dos Estados-membros antes da Cúpula especial das Nações Unidas sobre desenvolvimento sustentável, de 25 a 27 de setembro e capacitá-los a chegar à agenda concisa e aspiracional determinada pela Conferência do Rio.

Os seis elementos essenciais são: (1) acabar com a pobreza e combater as desigualdades; (2) garantir a vida saudável, o conhecimento e a inclusão de mulheres e crianças; (3) desenvolver uma economia forte, inclusiva e transformadora; (4) proteger nossos ecossistemas para todas as sociedades e para os nossos filhos; (5) promover sociedades seguras e pacíficas e instituições fortes; e (6) catalisar a solidariedade global para o desenvolvimento sustentável.

A educação para o desenvolvimento sustentável (ESD) e, por implicação, a educação para a cidadania global (EGC), é um componente essencial da agenda proposta de desenvolvimento sustentável pós-2015.

A proposta da Meta 4 (a meta de educação pós-2015) visa "garantir educação de qualidade, inclusiva e equitativa e promover oportunidades de aprendizagem permanente para todos". Enquanto a proposta da Meta 12 visa "garantir padrões de consumo e produção sustentáveis"; e a Meta 13 declara a necessidade de "tomar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e seus impactos".

A ESD e a EGC estão incluídas nos três objetivos propostos para ajudar a alcançar estas metas:

- Primeiro, "garantir que até 2030 todos os estudantes adquiram os conhecimentos e as competências necessários para promover o desenvolvimento sustentável, incluindo entre outros, através da educação para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida sustentáveis, direitos humanos, igualdade entre gêneros, promoção de uma cultura de paz e não violência, cidadania global e valorização da diversidade cultural e da contribuição da cultura para o desenvolvimento sustentável”.

- A proposta de uma segunda meta relacionada ao ESD é a de "garantir que pessoas de toda parte estejam informadas e conscientizadas para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida em harmonia com a natureza" até 2030.

- E finalmente, uma terceira meta sugere "melhorar a educação, aumentar a conscientização e a capacidade institucional sobre a atenuação, adaptação, redução do impacto e alerta precoce das alterações climáticas" para ajudar a combater as alterações climáticas.

Esta análise, publicada no site da Conferência Mundial sobre Educação para o Desenvolvimento Sustentável, afirma os três elementos-chave que o Presidente da Soka Gakkai International (SGI), Daisaku Ikeda, sugeriu como base de um programa de educação para a cidadania global.

Já em junho de 1996, em uma palestra na Faculdade de Professores da Universidade de Columbia, Ikeda explicava o seguinte como elementos essenciais da cidadania global:
- A sabedoria para perceber a interligação entre a vida e todas as formas de vida
- A coragem para não temer ou negar a diferença; mas para respeitar e se esforçar para entender as pessoas de diferentes culturas e a para crescer a partir de encontros com elas.
- A compaixão para manter uma empatia imaginativa que ultrapasse o entorno imediato e se estenda àqueles que sofrem em lugares distantes.

A educação para a cidadania global, disse ele em suas Propostas de Paz para 2014, deveria incluir:

- O aprofundamento da compreensão dos desafios enfrentados pela humanidade, a capacitação das pessoas para explorar suas causas e instilação da esperança e confiança compartilhadas de que tais problemas, sendo de origem humana, são acessíveis a soluções humanas;

- A identificação dos primeiros sinais de problemas globais iminentes em fenômenos locais, o desenvolvimento da sensibilidade para tais sinais e capacitação das pessoas a tomarem medidas concertadas; e

- A estimulação à imaginação empática e a uma percepção aguçada de que ações que são favoráveis ao próprio país de uma pessoa podem ter impacto negativo ou serem vistas como uma ameaça por outros países, elevando isso a um compromisso compartilhado de não procurar a felicidade e prosperidade à custa de outros.

A conferência de Aichi-Nagoya em novembro de 2014 em Aichi-Nagoya, Japão, lançou o Programa de Ação Global (GAP) sobre educação para o desenvolvimento sustentável (ESD), centrando-se em ações no terreno.

O GAP e outros resultados da Conferência Mundial informarão as deliberações do Fórum Mundial de Educação, a ser realizado de 19 a 22 de maio de 2015 em Incheon, Coreia do Sul, cuja meta será chegar a acordo sobre uma nova agenda de educação pós-2015 e a adoção de um quadro global de ação para os anos vindouros [IDN-InDepthNews – 28 de dezembro de 2014].